5 de março de 2018 Comentários (0) Datas Comemorativas

Mulheres que defendem o planeta | Dia Internacional da mulher

Compartilhe em suas redes favoritas

Mulheres que defendem o planeta – No dia 8 de março comemoramos o Dia Internacional da Mulher. Hoje vamos contar algumas histórias de lutas das mulheres pela igualdade de direitos e uma vida digna.

O foco desse post, no entanto, é em mulheres que defendem o planeta, ou seja, homenagear muitas mulheres que estão engajadas em projetos, movimentos e ações em defesa do meio ambiente.

Mulheres que defendem o planeta

Selecionamos algumas mulheres (a lista é enorme – deixe a sua contribuição nos comentários) que fazem a diferença quando o assunto é meio ambiente. São mulheres que trabalham com projetos incríveis. Todas as mulheres por esse Brasil afora que portam a bandeira da sustentabilidade e do meio ambiente o nosso carinho e homenagem.

Marina Silva – Ex- Ministra do Meio Ambiente

De origem humilde, Marina Silva só se alfabetizou aos 16 anos. Começou sua trajetória de defesa do meio ambiente ainda no Acre, ao lado de Chico Mendes, lutando pela defesa do desenvolvimento sustentável quando poucos sabiam o que isso significava. Em sua carreira política, foi vereadora, deputada federal, senadora e ministra do Meio Ambiente entre 2003 e 2008, e colocou o tema ambiental em discussão nacional quando concorreu a presidência da República, em 2010. Marina também é reconhecida no exterior:  em 1996, foi premiada com o prestigiado prêmio ambiental da Goldman e, em 2007, foi escolhida como “Campeão da Terra” pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente , um prêmio de liderança excepcional em questões ambientais e em 2008, foi considerada pelo jornal britâncio The Guardian como uma das 50 pessoas que poderiam salvar o mundo. Em 27 de julho de 2012, Marina carregou a bandeira olímpica na abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, junto com Ban Ki-moon, o maestro argentino Daniel Barenboim e ganhadores do prêmio Nobel. A escolha de seu nome, segundo o Comitê Olímpico Internacional, ocorreu em razão de sua importância na defesa do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável.

Maria Tereza Jorge Pádua – ONG Funatura

A engenheira agrônoma Maria Tereza Pádua é um dos nomes mais importantes quando se fala de meio ambiente no Brasil. Ela fundou a ONG Funatura, uma das primeiras ONGs ambientais do país, ainda no período de transição da ditadura para a democracia no Brasil. Atuou no IBDF, o instituto que cuidava da política ambiental antes da criação do Ministério do Meio Ambiente, e foi presidente do Ibama. Sob sua gestão, o Brasil criou um grande número de Unidades de Conservação. Atualmente, faz parte do Conselho da Fundação Boticário de Proteção à Natureza e da comissão mundial de Parques Nacionais da UICN. E, além de tudo isso, Maria Tereza ainda é uma flor: a orquídea Laelia purpurata Maria Tereza foi batizada em sua homenagem. É conhecida como a “mãe dos parques nacionais do Brasil” por seu esforço em implementar reservas e parques no país. Pádua é presidente da FUNATURA, uma organização global de conservação da natureza.

Monica Picavêa – sustentabilidade a favelas

A paranaense Monica Picavêa foi buscar melhorar o meio ambiente em um lugar que poucas pessoas se preocupam: não só no meio urbano, mas em um dos bairros mais pobres de São Paulo. Mônica implementou o projeto Transition Towns (ou Cidades em Transição), criado pelo inglês Rob Hopkins, na Brasilândia. O Transitions Towns está presente em mais de 30 países, mais em nenhum foi implementado em um bairro pobre. O objetivo do projeto é transformar ambientes urbanos em cidades sustentáveis. Os resultados são positivos: os terrenos baldios de antes agora abrigam hortas comunitárias, as nascentes de rios estão sendo revitalizadas, e as mulheres se organizam em cooperativas de costura e confeitaria para gerar renda.

Márcia Hirota – Fundação SOS Mata Atlântica

A Mata Atlântica é um dos biomas mais destruídos do Brasil, e hoje só resta pouco mais de 10% desse bioma. Mas se essa pequena parcela de floresta ainda existe, isso se deve ao trabalho da Fundação SOS Mata Atlântica, e sua coordenadora, Marcia Hirota. Marcia. O SOS Mata Atlântica é uma das mais respeitadas ONGs na área. Seu trabalho nos alerta para o perigo de se perder o pouco que resta desse bioma. Além disso, ela também coordena o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, em parceria com o Inpe. Um trabalho fundamental, que mostra o quanto o bioma já foi desmatado, mapeia as áreas de florestas remanescentes, e é base para qualquer política de preservação no bioma.

Dorothy Mae Stang – Irmã Dorothy

Irmã Dorothy estava presente na Amazônia desde a década de setenta junto aos trabalhadores rurais da Região do Xingu. Sua atividade pastoral e missionária buscava a geração de emprego e renda com projetos de reflorestamento em áreas degradadas, junto aos trabalhadores rurais da área da rodovia Transamazônica. Seu trabalho focava-se também na minimização dos conflitos fundiários na região. Atuou ativamente nos movimentos sociais no Pará. A sua participação em projetos de desenvolvimento sustentável ultrapassou as fronteiras da pequena Vila de Sucupira, no município de Anapu, no Estado do Pará, a 500 quilômetros de Belém do Pará, ganhando reconhecimento nacional e internacional. Irmã Dorothy foi brutalmente executada com seis tiros em 12 de fevereiro de 2005.

Antonia Melo da Silva – A favor da Amazônia

Faz 36 anos que Antonia Melo da Silva luta para preservar a Amazônia e frear a construção da gigantesca usina hidrelétrica de Belo Monte na bacia do rio Xingu, afluente do Amazonas. Ela foi premiada em Nova Iorque em 2017 por seu ativismo. “Amazônia viva, planeta vivo!”, gritou Antonia, emocionada, com o punho em riste ao receber o prêmio diante da elite de filantropos e funcionários de fundações e ONGs.

Magda Elisabeth Nygaard Renner – Separação do lixo em Porto Alegre

Magda Renner omeçou a se interessar pela preservação ambiental a partir do seu trabalho na ONG Ação Democrática Feminina Gaúcha (ADFG), na qual ingressou na década de 1960, entidade de assistência social que buscava ampliar a inserção das mulheres das periferias na sociedade e fortalecer seu senso de cidadania e dignidade. Em 1972, após assistir uma palestra do ecologista José Lutzenberger, fundador da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN), Magda iniciou efetivamente sua militância no ambientalismo, muitas vezes engajando também a ADFG, que veio a presidir, e que promoveu o primeiro projeto de separação do lixo em Porto Alegre e passou a atuar em foros internacionais contra a pobreza e a favor da natureza. Conhecida como a primeira-dama da ecologia, Magda faleceu em 11 de outubro de 2016.

Artistas brasileiras famosas engajadas nas causas ambientais

Há artistas famosas, ainda bem, que usam sua imagem em prol do bem-estar do planeta. A essas mulheres ativistas da causa ecológicas o nosso respeito, admiração e homenagem.

Letícia Spiller – Comitê Rio Defesa das Florestas

A atriz Letícia Spiller está engajada no movimento do Comitê Rio em Defesa das Florestas que condena as propostas de alteração do Código Florestal Brasileiro. Ela também ajuda a conscientizar as populações ribeirinhas sobre o desmatamento e o plantio de mudas. A atriz está sempre engajada em movimentos e ações que possam ajudar o planeta.

Letícia Sabatella – Survival International

 

A atriz Letícia Sabatella é apoiadora do Survival International, uma organização não-governamental internacional que defende os povos indígenas ao redor do mundo. A atriz já gravou um documentário sobre a tribo Krahô, do Tocantins. Foi uma das personalidades mais atuantes na luta contra a transposição do Rio São Francisco. Sua atuação também se destaca no combate ao trabalho escravo.

Isabel Fillardis – Doe seu Lixo

Engajada em projetos ligados à sustentabilidade desde 2003, a atriz Isabel Fillardis é fundadora e presidente da ONG “Doe seu lixo“. Além de contribuir para a redução do lixo nos impactos ambientais, a instituição ajuda a gerar emprego através da coleta seletiva de lixo.

Christiane Torloni – Amazônia para Sempre

A atriz Christiane Torloni está à frente do projeto “Amazônia para sempre“. Ao lado do ator Victor Fasano, ela recolheu mais de um milhão de assinaturas pedindo que o então presidente Lula tomasse medidas contra o desmatamento da floresta Amazônica. O projeto tem como objetivo sensibilizar sobre a importância da preservação e a real situação da floresta e interromper a devastação do ecossistema.

Gisele Bündchen – Proteção da floresta

Seu envolvimento com as causas ecológicas começou em 2006 e entre as suas inúmeras ações em defesa do meio ambiente, Gisele tem um trabalho de proteção ao rio Xingu, as tribos ribeirinhas e a criação da floresta Gisele Bündchen Sementes, que fomenta a recuperação de mais de 15 hectares de Mata Atlântica em Campinas e na Bahia. Sem falar que também é embaixadora da Boa Vontade pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

Camila Pitanga – Embaixadora Nacional da ONU Mulheres Brasil

A atriz Camila Pitanga é diretora geral da ONG Movimento Humanos Direitos,  onde tem dedicado atenção contra o trabalho escravo, abusos contra crianças e adolescentes e na promoção de direitos de jovens negros, quilombolas, povos indígenas e meio ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *